fbpx
Cultura

10ª edição do FESTCINE recebe mais de 100 inscrições

Amantes e profissionais da sétima arte, de diversas partes do Brasil, vão participar da décima edição do Festival de Cinema de Pinhais. O FESTCINE 2022 já recebeu mais de 100 inscrições de trabalhos audiovisuais, entre animações, documentários, longas e curtas-metragens.

Para quem ainda pretende submeter seu trabalho, o prazo termina no próximo dia 20 de fevereiro. Os filmes selecionados serão exibidos a partir do dia 25 de abril até o encerramento no dia 6 de maio às 22 horas.

As exibições serão feitas no canal do YouTube SEMEL – Cultura, Esporte e Lazer Pinhais, no Auditório Municipal Márcio José Moro (Centro Cultural Wanda dos Santos Mallmann) e no Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU).

Bruna Palazinn, organizadora do festival, conta que o interesse na participação tem sido grande. “Os produtores têm se interessado bastante pelo evento.

Neste ano já temos inscritos de diversos lugares do Brasil. O público pode esperar por uma grande variedade, são muitas categorias diferentes de filmes, para todos os tipos de público, além de muito respeito à diversidade da produção artística”, comenta.

Cena do curta-documentário “O Ritmo que Salva” de Ivi Sumini (Reprodução YouTube)

Devido à pandemia, muitos eventos culturais tiveram que ser suspensos.

Atualizado, o FESTCINE se manteve em formato online, conseguindo atingir um público de diversas localidades.

Este ano o festival será em formato híbrido, onde todas as exibições serão online e os trabalhos premiados serão exibidos presencialmente.

Bruna Palazinn explica que a edição deve trazer ao público produções de alto nível.

“Haverá um júri contratado com experiência na área para a avaliação dos curta-metragens, categoria na qual recebemos o maior número de inscrições”, informa.

Ivi Sumini, vencedora da categoria Filme Destaque Pinhais de 2021 com o curta-documentário “O Ritmo que Salva”, relata como foi participar do festival no ano passado.

O trabalho conta a história de Neco, capoeirista que realiza trabalho com a população de Pinhais através do projeto Sonho de Menino.

“Já acompanhava o FESTCINE há um tempo, quando o Thiago [produtor executivo] me falou sobre o quanto ele gostava e como é um festival legal. Conversamos sobre e decidimos enviar o filme”, conta.

“O principal motivo era poder compartilhar a história do Neco e do projeto Sonho de Menino com o maior número de pessoas possíveis, e compartilhar em um festival na cidade em que ele faz isso acontecer e ama viver, seria incrível”, relata.

A cada ano, o Festival de Cinema de Pinhais vai ficando cada vez mais cobiçado.

Especialmente seu simpático prêmio, o Macuquinho Dourado, símbolo do evento desde 2015.

Mas o que motiva realmente os profissionais do audiovisual vai além de uma conquista do júri.

“Meu objetivo no audiovisual sempre foi torná-lo acessível e plural, levar essa vivência para todos os cantos e, principalmente, para quem está na periferia. O cinema é feito de gente, a arte é feita de gente. É preciso contar essas histórias para que todos se reconheçam nela e descubram que é possível criar e ocupar esses lugares”, diz a cineasta Ivi Sumini.

Ela também agradece o apoio recebido por diversas pessoas durante a produção de “O Ritmo que Salva” e conclui:

“É incrível saber que existem novos caminhos e horizontes para o cinema independente!”.

 

Serviço

10º Festival de Cinema de Pinhais

Local: Youtube SEMEL – Cultura, Esporte e Lazer Pinhais, Auditório Municipal Márcio José Moro (Centro Cultural Wanda dos Santos Mallmann) e Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU)

 

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo