fbpx
Saúde

Amazonas transfere pacientes para outros estados

Aviões Hércules da Força Aérea Brasileira iniciaram transportes de oxigênio líquido

O governador do Amazonas, Wilson Lima, anunciou novas medidas para tentar conter a disseminação do novo coronavírus (covid-19) e o consequente aumento do número de casos da covid-19 no estado,  proibindo a circulação de pessoas nas ruas de todo o Amazonas, das 19h às 6he a transferência de pacientes diagnosticados com a covid-19 para hospitais de outras seis unidades da federação (Goiás, Piauí, Maranhão, Distrito Federal, Paraíba e Rio Grande do Norte).

Também recorreu à Justiça para que a empresa White Martins seja obrigada a fornecer todo o oxigênio hospitalar de que a rede pública de saúde do estado precisar.

Os cilindros com esse gás são essenciais para manter e estabilizar os pacientes com covid-19 grave – além de pacientes com outras enfermidades. Sem esse insumo básico, muitos indivíduos hospitalizados vão acabar morrendo.

A  nova etapa da pandemia de Covid-19 praticamente multiplicou por seis o consumo de oxigênio nos hospitais de Manaus. Antes da chegada do novo coronavírus, a demanda era de 12 mil metros cúbicos/dia – hoje, está em 70 mil metros cúbicos/dia, mais do dobro do que nos primeiros meses da doença.

Aviões Hércules da Força Aérea Brasileira iniciaram transportes de oxigênio líquido.

Por questões de segurança, o transporte de oxigênio líquido só pode ser feito em algumas aeronaves, capazes de receber uma válvula de segurança.

A White Martins aumentou  produção de sua fábrica do produto em Manaus, capaz de produzir 28 mil metros cúbicos/dia. Oxigênio também está sendo levado por caminhões que saem de Fortaleza (CE).

MEDIDAS

O toque de recolher não atinge quem trabalha em atividades estratégicas e essenciais, como saúde e segurança pública, nem profissionais de imprensa. Farmácias também poderão atender os clientes, mas apenas por meio de entrega em domicílio.

O decreto também proibirá o transporte coletivo de passageiros por estradas ou barcos.

Quanto à remoção de pacientes para outras unidades da federação, Lima garantiu que, além do traslado, o governo estadual vai oferecer apoio psicossocial para atender aos doentes e a seus parentes. “Estamos montando um grupo de apoio para esses pacientes e familiares que irão ser deslocados para os outros estados”, disse o governador.

Também já entramos com uma ação na Justiça contra a empresa [White Martins] para garantir que ela abasteça [com oxigênio medicinal] em quantidade suficiente a rede hospitalar para atender nossos irmãos acometidos da covid-19”, acrescentou Lima, que disse que tem conversado com os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello; da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, sobre os riscos do desabastecimento do produto.

Estamos numa operação de guerra, onde os insumos, sobretudo a questão do oxigênio nas unidades hospitalares, é o produto mais consumido diante dessa pandemia”, disse o governador Wilson Lima.

( Fonte: Agência Brasil)

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo