GeralTurismo

Bandeiras que indicam cuidados para banhos de mar

O Corpo de Bombeiros orienta sobre cuidados e riscos para banhos, como beber bebida alcoólica e cair na água.

Uma das primeiras observações é com relação à sinalização das bandeiras de orientação, que ficam dispostas na areia.

As bandeiras foram criadas para facilitar a compreensão sobre a condição de banho de mar naquele ponto e se ali é um local seguro e protegido para banho.

As bandeiras são baseadas numa padronização internacional que permite que pessoas de todas as regiões do Brasil e também de outros países tenham a mesma interpretação apenas pela cor da bandeira.

“O Corpo de Bombeiros possui um método sistemático de sinalização, antepondo as bandeiras como principais guias quanto às condições de segurança no mar, tanto em relação às condições da água quanto indicando a presença do guarda-vidas. A atenção do cidadão, adulto ou criança, possibilita ter uma leitura do risco ao qual ele estará se expondo caso entre no mar”, explicou o comandante dos bombeiros.

corpo de bombeiros binóculo na praia
Binóculo auxilia na fiscalização de banhos – Foto: SESP-PR

As bandeiras vermelho sobre amarelo (as duas cores na mesma bandeira), ou os windbanners com essas cores, dispostas em uma área de cerca de 300 metros entre elas (150 metros para cada lado do Posto Guarda-Vidas), são as que as pessoas devem procurar na praia, pois sinalizam a área protegida por guarda-vidas, uma área segura para entrar no mar.

Essa recomendação é importante porque os profissionais estão próximos e preparados para agir ao menor sinal de perigo, e a vítima terá um atendimento mais rápido caso ocorra algum problema.

Ainda há outras bandeiras que são importantes.

Existem a verde, amarela e vermelha, que sinalizam as condições do mar e do tempo.

Há, ainda, duas que os banhistas devem memorizar para jamais entrar na água onde elas estiverem: a preta, que sinaliza área sem Posto Guarda-Vidas, e a duplo vermelha, que indica praia interditada devido a fatores de segurança, como chuva forte, ressaca, raios, entre outras situações.

O Corpo de Bombeiros utiliza ainda a placa de metal, fixada nos locais onde o risco de acidente/afogamento é grande e o banhista não deve entrar no mar em hipótese alguma.

Outro ponto importante na prevenção é observar se o local possui corrente de retorno, uma condição marítima que pode causar afogamentos trágicos caso não haja socorro. Os banhistas podem observar as correntes de um ponto mais alto do nível da água, como calçadões, prédios. A corrente de retorno é forte, estreita e rápida, geralmente formada em regiões de águas rasas e com bancos de areia sedimentados aos lados (onde as ondas quebram).

Ao voltar para o mar, as águas formam uma corrente por onde retornam rapidamente e levam consigo o que estiver naquela área (coisas ou pessoas).

Se alguém decidir nadar, pode ser carregado e se afogar.

A dica do Corpo de Bombeiros é sempre frequentar as praias protegidas pelos guarda-vidas.

Outras medidas devem ser seguidas, como não se banhar próximo a pedras, pontes e píeres, cuidar com a profundidade da água, principalmente nos locais onde há valas, que aparentam ser pontos tranquilos, mas escondem o perigo da correnteza, e não ingerir bebidas alcoólicas e alimentos pesados antes de entrar no mar, pois acarretam mal-estar e dificultam a coordenação motora na água.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo