Educação

Madalena Sofia convive com ensino à distância no período de isolamento

Pais, alunos, professores e direção das escolas vivem uma nova realidade com a suspensão das aulas no ensino médio: o ensino à distância se apresenta como novidade inesperada, fria, com resultados que somente serão avaliados quando as aulas presenciais retornarem ao normal.  “Vivemos angústias nascidas num momento de exceção, momentos nunca vividos na história da educação. Angústias dos pais, angústias dos professores e das pessoas que entendem de educação. Seguimos orientações de especialistas, estudamos muito sobre educação à distância, porém tudo é muito novo.  Trocamos avaliações com outras escolas, seguimos orientações dos órgãos públicos tudo é novidade para nós, como é novidade para os pais. Ao retornarmos pro presencial, os professores terão um olhar muito individualizado para cada aluno, olhando um a um, para ver o que realmente aprendeu no período que estava em casa,  se foi ele mesmo quem fez, se alguém da família ajudou a responder.”

Natalina Triches, diretora pedagógica do Colégio Madalena Sofia, convive com as dúvidas dos pais nos grupos de conversas e nos contatos individuais, ao mesmo tempo em que acompanha resultados de experiências semelhantes de outras escolas. A educação infantil, do maternal ao pré 2, tem distribuição semanal de atividades propostas por professores.
O gestor Lucas Drusda explica que a instituição precisou se estruturar para as aulas à distância, adequando salas de aula como mini estúdios, reforçando tecnologia para tráfico de áudio e vídeo (professores dão aulas de casa e também se deslocam para a escola), utilizando plataforma “Sala de Aula” do Google e aulas no sistema “Zoom”,   com interação e arquivo da aula para o aluno rever, tirar dúvidas ou assistir, caso tenha perdido o horário da transmissão. “Trabalhamos para interagir e ministrar conteúdo de modo que haja a efetiva transmissão do ensino”.  Lucas também leciona história, elogia as tecnologias, porém acha difícil substituir o quadro negro negro, o giz e o professor na sala de aula.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo