fbpx
Cidadania

Projeto Pernas Solidárias recebe homenagem na Câmara Municipal de Curitiba

Há dois anos, pessoas com deficiência visual, auditiva ou motora, ou ainda com autismo ou síndrome de down conseguem participar de corridas de rua, com triciclos adaptados e com o apoio dos corredores/condutores. Este é o objetivo do Pernas Solidárias CWB.

Nesta terça-feira (17), o vereador Alexandre Leprevost fez a homenagem e entrega do certificado de votos de Congratulações e Aplausos. “Além de todo o carinho e admiração que eu tenho por este projeto, esse também é o reconhecimento de toda a casa legislativa para que todos os envolvidos no Pernas Solidárias sigam inspirando, levando o processo de inclusão e sobretudo a alegria para a vida de tantas pessoas”, comentou.

O Pernas Solidárias CWB nasceu em 8 de fevereiro de 2020 e é coordenado por seis pessoas. O projeto, que não tem quaisquer fins lucrativos, conta com a colaboração de cerca de 100 voluntários condutores e é mantido através de doações, rifas e campanhas para angariar fundos. Por isso, toda colaboração e ajuda são sempre bem-vindas.

 Primeiro triciclo adaptado do Renan para correr com o irmão Allan na primeira corrida de rua que participaram, em 2018, em Curitiba. Foto: Divulgação
Primeiro triciclo adaptado do Renan para correr com o irmão Allan na primeira corrida de rua que participaram, em 2018, em Curitiba. Foto: Divulgação

O lema do Pernas Solidárias é “Sorrisos que voam”, pois o grande intuito é ver a felicidade nos rostos de todos os atletas que participam deste belíssimo e valoroso projeto.

História inspiradora: 

A iniciativa é do Renan Lopes Leme, corredor há mais de 8 anos. Em 2018, ele foi assistir ao triathlon em Guaratuba e viu um pai praticando esporte com o filho portador de deficiência. Foi então que  pensou que também poderia contribuir com a inclusão de seu irmão Allan na corrida de rua.

A partir daquele momento, Renan passou a fazer pesquisas sobre o tema e pelas redes sociais conheceu o Projeto Pernas Solidárias de Joinville, em Santa Catarina. Ele conseguiu comprar um triciclo para transporte de crianças, fazendo algumas adaptações para poder participar de corridas com o irmão. A primeira prova foi a corrida da Polícia Civil no fim de 2018, em Curitiba. E desde aquele momento, essa dupla não parou mais. Tanto que os irmãos já participaram de 30 corridas juntos, contabilizando mais de 100 Km em corridas.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo