Saúde

Ministério da Saúde reestabelece sistema invadido por hackers

“Não houve perda de informação”. 

Foi com essa declaração que o Secretário Executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, anunciou o restabelecimento total dos sistemas afetados pelo ataque hacker, ocorrido em dezembro do ano passado.

Segundo Cruz, a expectativa é que até a próxima sexta-feira (14), todos os dados estejam disponíveis para acesso pela população.

“É importante deixar claro que não houve perda de informação e que não há apagão de dados. As informações existem e o Ministério continuou recebendo e divulgando dados durante esse período, especialmente os da pandemia. Essas informações foram e continuam sendo disponibilizadas de fácil acesso no nosso site através dos nossos boletins informativos e boletins epidemiológicos”, contou.

Na oportunidade, o gestor explicou as etapas do plano de ação executado pela pasta para o restabelecimento dos sistemas afetados.

De acordo com o secretário, o primeiro desafio foi garantir que nenhum dado tenha sido comprometido.

O aplicativo Conecte SUS, onde é possível acessar os dados de vacinação, funciona normalmente.

“Os nossos sistemas e as informações de Covid-19, como casos, óbitos e da Campanha de Vacinação, são guardados na nuvem. O hacker conseguiu acessar a nuvem e excluiu os nossos sistemas. Não são sistemas de prateleira, que você apaga e coloca um CD ou pen-drive e reinstala. Quando o sistema é excluído, precisa reconstruí-lo porque ele é personalizado e construído especificamente para o Ministério da Saúde”, explicou.

Recuperados os dados, a etapa seguinte do plano foi restabelecer esses sistemas para que o órgão pudesse receber os dados que são cadastrados diariamente pelos estados e municípios.

O último grande passo, o status em que o plano de ação está hoje, é a divulgação dos dados para a sociedade.

Ainda de acordo com Cruz, para cada uma dessas etapas há uma empresa contratada que, junto com os técnicos do Ministério, trabalhou diuturnamente para este fim.

“Todos os sistemas estão com o processo de captura de dados restabelecido. Então, a pasta recebe as informações dos estados e municípios. E essa etapa a gente concluiu ainda em dezembro, quando tiveram a funcionalidade de captura de dados restabelecida. O outro grande passo foi disseminar esses dados, que muitos deles são disponibilizados apenas para órgãos públicos devido a uma série de critérios, entre elas a Lei de Proteção de Dados”, explicou.

Fernando Brito
Ministério da Saúde

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo